nRPG!

Olá, bem vindo ao nRPGr, comece criando sua conta Smile , e não esqueça de votar em nossos top's ;D.

Descubra o Ninja que há em você!

Últimos assuntos

» Chatroom #1
Sab 24 Jun 2017 - 22:44 por Inuzuka Kai

» Ink Heart para rrpg
Qua 25 Fev 2015 - 6:43 por Saiga

» felinos para rrpg
Qua 25 Fev 2015 - 6:35 por Saiga

» Hijutsus para o novo fórum
Seg 17 Jun 2013 - 2:54 por Inuzuka Kai

» novo forum
Seg 10 Jun 2013 - 9:57 por Sai

» Atualizações
Seg 10 Jun 2013 - 9:56 por Sai

» [Singnature] Fenikkusu no jutsu (reformulação)
Ter 22 Jan 2013 - 23:23 por Inuzuka Kai

» [Ficha]Hyuuga Kagero
Qui 17 Jan 2013 - 22:08 por Uchiha Ryuko

» [Técnicas]Hyuuga Kagero
Qui 17 Jan 2013 - 6:20 por Hyuuga Kagero

Parceiros


    [Missão Rank B] - O Brilho Volta às Origens - Passado

    Compartilhe

    Convidad
    Convidado

    [Missão Rank B] - O Brilho Volta às Origens - Passado

    Mensagem por Convidad em Sex 6 Jul 2012 - 0:23

    Nyuken escreveu:
    Nyuken,

    Você está sendo convocado a seguir com uma comitiva de quatro carros até Kiri. A Vila Oculta da Névoa comprou um carregamento imenso de ouro da Vila Tanzaku Gai e necessitava que um ninja graduado para tal acompanhasse-a até o País da Água. Sabemos que o caminho será longo, pois há um mar inteiro para atravessar. Mas, particularmente, utilize as noites de descanso dos animais para treinar, pois descobrimos que um dos guias é um antigo treinador Kaguya. Pode ser que ele se disponha a transferir muitos dos seus conhecimentos práticos para ti. Boa sorte. Aproveite bem a chance que lhe demos.

    PS: tenha um pouco de concentração, já que esta é a primeira missão de nível intermediário que vai fazer fora da vila.

    Alegremente, Hokage.


    Convidad
    Convidado

    Re: [Missão Rank B] - O Brilho Volta às Origens - Passado

    Mensagem por Convidad em Sex 6 Jul 2012 - 0:23

    Nyuken escreveu:
    Quando recebeu a mensagem do ajudante do Hokage estava voltando do lanche da tarde. Não previa de forma alguma que iria ser enviado a uma missão tão cedo. No máximo, faziam duas semanas que estava naquele novo cargo. Apesar de tudo, recebeu a carta com um sorriso no rosto e se despediu do jovem recepcionista. Guardou a carta no bolso de sua jaqueta escura e continuou a volta para casa. Perguntou-se por um momento o que alguém que claramente não tinha escalão algum fazia ajudando um Hokage. Lembrou-se, portanto, que em uma vila todos tem uma função, aquela era a de um guerreiro como ele: proteger e colaborar para o crescimento do vilarejo. Naquele instante não havia percebido, mas já tinha se perdido em meio aos seus pensamentos.

    Caminhou adentro das casas de Konoha, passando por pontes, casas de jogos, alamedas repletas de bebedices, alguns prédios enormes e casas bastante rústicas. A cidade estava um tanto normal ao seu ver. No horizonte dos seus olhos, viu que o parque já estava se esvaziando, só haviam mais algumas crianças brincando; os seus pais curiosamente se revezavam entre conversas e cuidados. Um deles não percebeu que uma das crianças pendia de cabeça para baixo no brinquedo, por sorte que ela se soltou e aterrissou perfeita no chão.

    Trocou seu caminho rotineiro e foi na direção do parque. A rua que trilhava era lindamente ladrilhada por quadrados coloridos. As árvores que o rodeavam emanavam um cheiro bom e suave. Estava no verão, mas aquela noite não estava quente; de fato, seguia bastante refrescado. Quando se aproximava do límpido e transparente lago do parque, observou o belo reflexo do sol poente sobre o espelho d'água. Aquela cena iluminava a plumagem dos patos, dando-as um tom fracamente alaranjado. Alegrou-se e apalpou a blusa; foi aí que sua mão se chocou com a carta. Seu sorriso esboçou-se novamente após perceber o quanto estava desligado naquele dia. Mas na realidade não poderia haver outra, Konoha sempre fora uma cidade repleta de surpresas.

    Abriu a carta, leu-a e começou a refletir sobre o que faria. Qual seria a sua utilidade nesta missão. Pareceu-lhe óbvio que o Hokage não lhe enviara naquilo apenas com o interesse de fortalecer um de seus subordinado. Seguiu seu caminho, atravessando o parque que já se iluminava. Os portes fluorescentes pareciam desenvolver um trajeto luminoso por onde o Kaguya passava. A cada dez metros que passava, mais dois portes acendiam ao seu redor. Guardou a carta no bolso da calça cinza e partiu para fora do parque.

    "Sempre cortava a volta para casa do Ichiraku para não demorar muito, mas nunca havia reparado direito nesse lugar. Que parte mais bonita. Tantas árvores coloridas, pensou.


    Convidad
    Convidado

    Re: [Missão Rank B] - O Brilho Volta às Origens - Passado

    Mensagem por Convidad em Sex 6 Jul 2012 - 0:24

    Nyuken escreveu:
    Não demorou muito e já subia as escadas para sua casa. Os degraus de madeira chiavam a cada passo que Nyuken se dispunha a dar. Segurava-se no corrimão brilhante com uma das mãos enquanto a outra procurava a chave nos bolsos de trás da calça. Abriu a porta, olhou para baixo à procura de se certificar se não havia nada embaixo e fechou a porta. Assim que pôs os olhos dentro do amplo recinto, notou que tudo continuava na mesma calmaria. A ideia de construir as escadas ao lado da casa permitiu que se fizesse do andar de cima uma área principal.

    Adentrou pela sala, colocou as chaves em cima do centro de mesa da sala, deixando a carta do Hokage sob elas. Sentou-se em um dos dois sofás escuros que circundavam o centro e relaxou por alguns instantes. Olhava para o teto forrado, ali era o lugar onde se localizava a parte plana do telhado. Aquele lugar lhe trazia muitas lembranças. Todas as vezes que seus amigos de academia estavam na sala e ele treinando, escutava-se um som tremendo. Ninguém conseguia conversar direito. Hoje em dia, mesmo que o Kaguya pulasse por sobre o platô artificial, barulho algum se escutava; os treinamentos com o controle do chakra haviam lhe dado muita experiência.

    Em uma dessas noites de treino, lembrava-se, tentava treinar uma técnica que lhe foi passada ainda nos tempos que morava em Kiri. Deveria-se fazer fluir seu chakra através de sua pele para que pudesse criar uma zona de proteção. Transferindo para a epiderme a forma enrijecida dos ossos, ele poderia criar uma espécie de armadura bastante útil em combates corpo-a-corpo, ou até mesmo para técnicas elementais. Tentava, à todo custo, elevar a sua concentração e manipulação de energia. Sabia que se quisesse se tornar um shinobi de alto nível precisava ser um ninja íntegro, completo.

    Aquela noite tinha sido uma noite bastante longa, pois se recordava que não lhe era fácil controlar o chakra. Que lhe pusessem para batalhar corporalmente, mas não utilizando a sua outra energia. Mas não desistia. Ficara ali por horas admirando as nuvens e como elas tinham a capacidade de se unir, de formarem nuvens maiores e então precipitarem. Pensava nelas como uma inspiração. Tinha de conseguir copiar aquela concentração a qualquer custo.

    Sentia perfeitamente sua energia fluir em meio todos os seus tenketsus, deveria haver uma maneira de concentrá-las em cada área do corpo. Foi aí que se lembrou do conselho de um dos velhos treinadores Kaguya: normalmente velhos com muita experiência shinobi, nem sempre membros do clã manipulador de ossos, mas sabiam muito sobre a linhagem sanguínea por terem convivido muito tempo com os mais prodigiosos da família. Caso ele tivesse dificuldades em filtrar seus pensamentos e canalizar completamente as suas energias para os treinamentos, que ficasse sentado no chão, em contato com ele. Antigos diziam que a relação com a natureza era muito importante para qualquer treinamento.

    Posicionou-se no solo do seu tablado, ajoelhando-se, ficando sentado sobre as panturrilhas. Suas mãos curvadas acima das coxas deixavam-o em uma posição bastante relaxada. Começou a sentir o vento bater no seu rosto; nunca havia parado em um treinamento para experimentar a frieza da fraca ventania que vinha das montanhas. Naquele instante percebeu que podia interagir melhor com sua energia interna. Concentrou-se, canalizou seus chakra nas posições corretas, e aplicou sua energia do modo que deveria. Notou que sua pele começava a endurecer lentamente; em todas as tentativas aquilo acontecia, mas todo o processo era tão rápido que mal podia perceber nada. Daquela vez era diferente, tudo acontecia e ele sentia. De fato, tudo parecia dar certo. Parecia que a técnica havia sido perfeitamente treinada.

    Bons tempos aqueles, tudo era bem mais fácil de se fazer. - disse para si mesmo voltando para o tempo em que estava. Suas recordações ainda pareciam tão recentes que podia senti-las sobre si. Ficava feliz com tudo aquilo. Continuou naquela posição, deitado, por mais alguns instantes, relembrando seu estranho passado.


    Convidad
    Convidado

    Re: [Missão Rank B] - O Brilho Volta às Origens - Passado

    Mensagem por Convidad em Sex 6 Jul 2012 - 0:24

    Nyuken escreveu:
    Para ele aqueles instantes que tirava para recordar-se do passado eram majestosos; não podiam faltar. Toda vez que as travessuras de seus antigos amigos vinham à memória, principalmente as de Nagami, sorria muito de si mesmo. Chegava a ser um tanto bobo, mas sabia que tudo aquilo tinha sido importante para o seu crescimento.

    Levantou-se do sofá, esquivou-se de um copo que estava no carpete vermelho, pegando-o na mão, e caminhou na direção da cozinha. Desceu as escadas internas da casa, as que levavam para o térreo do prédio. Tropeçou em um dos últimos degraus, assustado, e acabou se machucando com o copo que se quebrou, rasgando a pele da sua mão esquerda. Soltou os cacos no chão e estancou o sangramento com a outra mão. Disparou para a pia, passando pela mesa central da cozinha e por um balcão que dividia o espaço. Abriu a torneira e começou a lavar o corte com a água corrente. Foi ali que se lembrou de uma técnica médica que poderia ser bastante útil; por sinal, uma técnica que havia tido um treinamento bastante simples, pois na altura que treinara já possuía um controle de chakra bem desenvolvido.

      Era noite de um dia que fora bastante agitado. Nyuken ficara horas treinando com um especialista médico para se tornar apto a controlar o chakra médico. Mesmo que o Kaguya já houvesse conquistado uma habilidade razoável para shinobis do seu nível, passava por certa dificuldade para dar molde àquela energia verde. Mesmo que tivessem passado por um descanso imenso para que pudesse renovar suas reservas de energia, parecia que seria impossível terminar aquele treino naquele dia. Normalmente, os futuros ninjas médicos mais aplicados conseguiam desenvolver aquele controle em menos de um dia. Sabe-se que o mais complicado é a utilização dos jutsus médicos, pois na maioria das vezes são em situações que não deixam o usuário se concentrar de modo algum.

      Lembra-se que ficara mais alguns minutos ali, pois sentia que estava tão perto que não queria desistir. O Centro Médico já estava para fechar quando ele pôde ver o chakra médico fluindo nos seus membros. Tanto ele como o shinobi que o ensinava ficaram tão felizes que pareciam crianças com doces. Aquela conquista o possibilitou treinar uma técnica esplendidamente nova; uma técnica que poderia ser útil na cura de ferimentos. O guerreiro que lhe ensinava dizia que era melhor que aprendesse primeiro aquela técnica, pois a técnica principal dos médicos, normalmente, demorava-se muito para controlar.

      Tomando uma adaga nas mãos, o Especialista rasgou a pele do seu braço, fazendo que um jato de sangue saltasse do seu antebraço. Nyuken, desesperado, não sabia o que fazer. Apesar das explicações que o especialista dava sobre o uso daquela técnica, parecia que ele nunca conseguiria se concentrar para usá-la. O que lhe deu mais ímpeto para sua concentração, foi ver o nervosismo na face do médico. Era-lhe óbvio que ele jamais se mataria por causa de um treino, mas ele parecia querer ir até o seu limite.

      Acalmando-se, tentando esquecer tudo à sua volta, o Kaguya começou a concentrar seu chakra, tentando-o transformar novamente naquela energia verde. Sua energia concentrou-se e uma espécie de globo esverdeado se formou na sua palma. Sentia que aquela energia não iria se manter por muito tempo, por isso que passou a se concentrar apenas na lesão que não cessava de sangrar. Fez com que a bola verde formada na sua mão se concentrasse mais, fazendo-a ganhar força para não se desfazer. Olhou para o especialista que, contente, o dizia com o olhar que estava pronto para o tratamento.

      Nyuken aproximou sua mão do corte esperando que desse certo. Não sabia ainda perfeitamente como aquele chakra ganhava aquela característica única de curar o que tocava. Aquela experiência o tirava algumas dúvidas. Parecia que em tudo que o chakra tocava ele entrava em sincronia, transferindo sua energia regenerativa para o local desejado. Era, de fato, algo muito interessante. Ficara tão surpreendido com o que estava sentindo que sequer percebera que o ferimento se fechava. Parecia mágica. A corrente de transferência de chakra não havia sido cortada, mas não notara que o chakra agia no trauma sem a intervenção do usuário. Era como se a energia tivesse vida própria. Uma vida entregue à salvação das outras.


    Aquele dia tinha sido um dos melhores da sua vida. Havia conseguido aumentar as suas habilidades para que pudesse ajudar a todos. Se sentia muito bem com aquilo tudo.

    Ainda na cozinha, após ter limpado o corte na sua mão, concentrou esse mesmo chakra na mão direita e começou a curar a outra, fazendo com que o sangramento cessasse de vez. Fechou a torneira e voltou-se para o balcão, erguendo-se sobre ele, procurando identificar onde estavam a vassoura e a pá para que pudesse limpar a sujeira da casa antes de ir jantar.

    É melhor ajeitar essa casa antes de viajar porque depois vai ser muito pior. - disse, caminhando na direção de uma porta em outra área da cozinha.

    Convidad
    Convidado

    Re: [Missão Rank B] - O Brilho Volta às Origens - Passado

    Mensagem por Convidad em Sex 6 Jul 2012 - 0:24

    Nyuken escreveu:
    Limpou a sujeira que deixara na cozinha, varreu toda a escadaria para a sala e ajeitou alfabeticamente alguns papéis sobre uma das mesas da área de convivência. Jogou todo o lixo fora e jantou. Preferiu tomar uma sopa leve que sempre encomendava de um rapaz que vendia na esquina da sua casa. Estava cansado demais para ir preparar qualquer que fosse a comida com as suas mãos. Deixou a vasilha com o macarrão sobre uma mesa de vidro localizada na esquina das paredes da sala, no canto oposto ao que se encostavam os sofás. Pegou a toalha que estava estendida na varanda à frente da sala, por detrás de uma porta de correr de vidro escuro. O ar estava bastante gelado naquela noite.

    Enquanto tomava banho no banheiro do corredor esquerdo, escutou a campainha tocar. Se ainda não fosse muito tarde, teria certeza que seria alguém com mais algum caso urgente a ser resolvido. Apressou-se e, colocando a cabeça para fora da porta do banheiro, gritou que já estava indo. Terminou de se enxugar ainda dentro do lavadouro, apertou o chuveiro dentro do boxer e se olhou no espelho de relance. Seus cabelos claros pareciam ter ficado mais finos ainda; estavam um tanto mais desembaraçados e soltos. Correu pelo corredor enrolado na toalha vermelha, saltou sobre o sofá e partiu para o outro corredor. Na sala, quem entrasse, viria à sua frente dois corredores, um à esquerda e outro à direita, o primeiro levava para a área de serviços, a copa e o banheiro, já o outro levava para os dois quartos, um de Nyuken e outro para as visitas.

    Abriu a porta do quarto procurou o cabide e soltou a toalha sobre a cama. Gritou novamente do quarto pedindo que esperasse e vestiu um calção que havia ganho de uma antiga amiga. Pegou sua carteira que estava pousada em cima de seu birô de madeira vermelha, encostado no canto oposto ao da porta de seu quarto, e desceu as escadas para fora da casa.

    Quem estava o esperando era seu amigo Tadashi, um dos entregadores de encomenda de Konoha. Ele trazia em uma mão um pacote em uma caixa de madeira na outra, trazia uma sacola com o seu pedido do Ramen. Pagou-o, trocou algumas frases em uma pequena conversa e entrou, despedindo-se. Tadashi sabia bastante sobre os acontecidos dentro do vilarejo; parecia que estava acontecendo algo estranho nos redores da cidade. Não se preocupou, até que não fosse chamado, não deveria se envolver nesses assuntos alheios à Vila. Entrou em casa, foi para a cozinha e sentou-se na mesa de mármore negro e começou a comer o macarrão para ir logo se deitar.


    Conteúdo patrocinado

    Re: [Missão Rank B] - O Brilho Volta às Origens - Passado

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Sab 18 Nov 2017 - 16:02